Acessos para Hemodiálise

A doença renal crônica, quando chega a estágios avançados, necessita de tratamentos específicos e invasivos como hemodiálise, diálise peritoneal e até transplante renal.

Os acessos vasculares para realização de hemodiálise consistem em cateter venoso central (CVC), que é um método temporário, e Fístulas Artério-Venosas (FAV) para utilização a longo prazo.

Os CVC se diferenciam em de curta e longa permanência, devendo permanecer no paciente em um tempo médio de 2 a 3 semanas. Para implantação deste cateter utiliza-se anestesia local e geralmente o auxilio do ultrassom Doppler.

A confecção de uma FAV requer uma planejamento com a realização de um estudo ultrassonografico antes do procedimento cirúrgico. A realização da fístula deve ser feita em um ambiente cirúrgico ou ambulatorial apropriado, tem duração de cerca de 2 horas, e pode ser realizada em diversos lugares do corpo, sendo o mais comum nos braços. Ela oferece uma melhor qualidade de vida para o paciente dialítico, pois tem menor chance de infecções e livra o paciente do desconforto da passagem frequente de cateter.

O paciente dialítico merece toda atenção disponível ao cuidado e conforto do seu procedimento e prevenções de infecções de seus acessos vasculares. São pacientes que muitas vezes necessitam de hemodialíses frequentes, chegando até 3 a 4 vezes por semana, em que muitos municípios do Brasil não disponibilizam um centro de hemodialíse próximo ao seu domicílio.

O cuidado com o acesso vascular para hemodiálise é essencial para a sua longevidade, oferecendo assim, uma melhor qualidade de vida ao paciente.

Procure seu cirurgião vascular.